domingo, junho 29

Felizes os misericordiosos

FEDERAÇÃO ESPÍRITA

Felizes os misericordiosos

JOSÉ ARGEMIRO DA SILVEIRA

de Ribeirão Preto, SP



"Bem-aventurados aqueles que são misericordiosos, porque eles próprios obterão misericórdia" (São Mateus, 5:7).

Misericordioso é aquele que tem coração para os míseros; aquele que compreende e ama os fracos, os ignorantes, os doentes, todos os necessitados de corpo e de alma, e procura aliviar-lhes os sofrimentos.

A palavra miserável está associada a dependência. O miserável é aquele que, por si mesmo, sem a ajuda externa, não consegue sair do seu estado. A missão da ação social espírita é contribuir para que os irmãos, na situação de miséria, vençam a sua dependência, deixem de ser miseráveis. Certamente jamais teremos uma sociedade de ricos. Nem sabemos se isso é desejável. No entanto devemos ajudar a construir um mundo em que todos possam viver dignamente.

Há vários tipos de miséria: material, sócio-afetiva, ética-moral e espiritual. A miséria material é muito perceptível. É a falta dos recursos materiais parra atender às necessidades básicas.

A miséria sócio-afetiva decorre das exclusões. Nossos irmãos que não têm habilidades porque não aprenderam a ler, a escrever, nem têm um ofício, nem acesso à saúde. Muitas vezes nem documentos têm.

Ético-moral é a miséria associada aos vícios: alcoolismo, uso de drogas ilícitas, etc. Finalmente, a miséria espiritual tem a ver com os processos obsessivos. A pessoa num permanente estado de baixa-estima, vivendo em turbulências emocionais constantes, dificilmente terá condições para manter a serenidade, a calma, e assegurar um bom padrão vibratório. Conseqüentemente, pela lei de afinidade, de sintonia, estará muito sujeita às influências negativas de Espíritos desencarnados sofredores.

Sair das situações de miséria e passar a viver em níveis equilibrados, ainda que modestos, é um processo a ser conquistado gradativamente.

Importante na atividade assistencial espírita é o respeito para com aquele necessitado de amparo.
Respeito denota, de acordo com a raiz da palavra (respicere = olhar para ) ,é a capacidade de ver uma pessoa tal como é, ter conhecimento de sua individualidade singular. Respeito significa a preocupação de que a outra pessoa cresça e se desenvolva como é. Aceitar o outro como ele é.
Temos os nossos padrões, que funcionam como verdadeiros paradigmas. O outro, que é nosso irmão, como nós caminha na direção do bem, porque foi criado para o bem. Hoje as circunstâncias nos colocam juntos e cabe-nos ajudá-lo.
Quem sabe, amanhã, ele poderá nos mostrar outras etapas da caminhada.
No Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 2, há uma mensagem, em que o Espírito que se identificou como "uma Rainha de França", diz: "Rainha eu fui entre os homens, rainha eu acreditava entrar no reino dos céus.
Que desilusão! que humilhação, quando, em lugar de ser ali recebida como soberana, vi acima de mim, mas bem acima, homens que eu acreditava bem pequenos e que desprezei porque não eram de um sangue nobre!".

Em estado de baixa-estima, é muito difícil a pessoa descobrir-se como um ser imortal, filho de Deus, criado para um futuro brilhante de sabedoria e paz.
Ela precisa ser auxiliada a trabalhar sua auto-estima, para conseguir, paulatinamente, descobrir-se como Espírito imortal.
É uma experiência pessoal, intransferível.
Podemos falar disso a ele, mas, se não houver uma descoberta íntima, uma experiência pessoal, será um discurso sem muito sentido.
Para que se ame o próximo é necessário que nos amemos a nós mesmos.
E como isso acontecerá, se a pessoa em dificuldade, sente-se como se tudo estivesse perdido.
Se aparentemente está condenada à miséria, ao desemprego, à ignorância, aos vícios?

É uma aprendizagem.
Descobrir, encontrar novos comportamentos.
O ideal é que o amparado adquira autonomia, viva por si mesmo, útil e feliz. É preciso desintoxicar das vibrações negativas, dos maus hábitos.
A assistência não pode estar ligada a apenas dar algumas coisas.



Fonte: Verdade e luz, edição 234, Julho de 2005

Seun Kuti

video

Seun Kuti

video

sexta-feira, junho 27

O PROCESSO EVOLUTIVO

O PROCESSO EVOLUTIVO

A missão da humanidade na Terra é bastante complexa. O homem não tem apenas a responsabilidade da sua evolução espiritual própria, também tem em mãos a missão da evolução espiritual da Terra e da própria humanidade.

É como a Terra que tem dois movimentos, rotação e translação. Um movimento em redor dela própria e um movimento em redor do Sol. Assim, o homem tem de conjugar dois interesses. O próprio interesse da sua alma sobre a Terra e o interesse da humanidade sobre a Terra, e o interesse da própria Terra.

Ser coadjuvante do processo evolutivo é justamente isso. Ver o micro sem deixar de olhar o macro. É um processo dentro-fora, em baixo-em cima. Dentro e fora de si próprio. Na Terra e no céu.

Se o homem conseguir esta difícil tarefa de conjugação de vários interesses diferentes, sem deixar de priorizar o seu próprio, vai finalmente ganhar um espaço libertador na anunciação do novo tempo.

Este Jesus Cristo Que Vos Fala, Livro 1/ A Entrega,
Alexandra Solnado

Filme sobre a vida de Divaldo Pereira Franco

--------------------------------------------------------------------------------
Filme sobre a vida de Divaldo Pereira Franco
SRZD - Fé | Fé | 2008-06-27 00:15:00



A Versátil Vídeo Spirite, FEB (Federação Espírita Brasileira) e FEESP (Federação Espírita do Estado de São Paulo) promovem a pré-estréia do documentário sobre a vida do médium Espírita Divaldo Pereira Franco, hoje (27) no Rio de Janeiro às 18:30hs e amanhã (28) em São Paulo às 19:00hs.

Divaldo Franco estará presente em ambos os eventos. Com duração de 90 minutos, o filme será exibido em tela de cinema em suas sedes, à Av. Passos 30 no Rio (FEB) e Rua Maria Paula 150 em São Paulo (FEESP).
Durante as pré-estréias poderá ser adquirida a caixa especial com 2 DVDs contendo o filme e mais de 200 minutos de vídeos extras.

Está previsto também a exibição do filme dia 28 às 10h no Cine Odeon na Cinelândia do Rio de Janeiro e no Cine Pipoca na Av. Paulista em São Paulo.

Escrito e dirigido pelo pesquisador espírita Oceano Vieira de Melo, e narrado pelo ator Ednei Giovenazzi, Divaldo Franco - Humanista e Médium Espírita foi filmado em 6 países e 11 cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Paris, Lyon, Nova York, Berlim, Viena, Milão e Assunção.

O filme mostra a trajetória de vida desse humanista que é um dos maiores médiuns e palestrantes espíritas do século XX.

Oceano Vieira de Melo dirigiu e produziu filmes biográficos de personalidades espíritas ou com extras espíritas. Já produziu e disponibilizou em DVD, os filmes Chico Xavier - O Grande Médium Espírita, Eurípedes Barsanulfo - Educador e Médium e filmes com conteúdo ou extras espíritas, como Minha Vida na Outra Vida, Joelma 23°. andar, Espiritismo - De Kardec Aos Dias de Hoje, Allan Kardec - O Educador, Bicentenário de Allan Kardec em Paris, o lendário Pinga Fogo I e II com Chico Xavier. Também fez dois filmes de curta-metragem em homenagem a Allan Kardec e Chico Xavier.

O filme tem duração de 90 minutos. Narrado em português. Legendas em inglês, francês, espanhol e português.

quinta-feira, junho 26

Curas Espirituais

Curas Espirituais
Junho 25th, 2008 · Sem Comentários
É quase um ritual. Todos os anos vamos à festa de anos das filhas de um amigo nosso. Convívio sadio e agradável, faz com que repitamos tal hábito com muita alegria, aproveitando aqueles momentos para dar azo a conversas mais abertas e quase sem rumo, ao sabor do tempo. Desta vez, acabámos por falar em Espiritismo e em curas espirituais, vindo um testemunho de onde menos esperávamos.

Sabendo a nossa condição de espírita, um dos presentes na referida festa de anos acabou por rematar: «Eu tenho muito respeito por “essas coisas”, pois tive um caso na minha família que me fez pensar…».
Ficámos curiosos e lá seguimos a história daquela pessoa…
Há uns anos atrás uma familiar da nossa interlocutora, tendo um problema de pele que teimava em não desaparecer, mesmo com tratamentos médicos, ouviu falar que nos centros espíritas, por vezes os espíritos curavam, quando podiam, e que algumas pessoas levavam garrafas de água que eram magnetizadas pelos espíritos, e que posteriormente as pessoas bebendo dessa água, ficariam curadas das suas maleitas.
Nesse sentido, a mãe dessa pessoa resolveu apelar para o auxílio espiritual, pois nada tinha a perder. Além disso, era gratuito, portanto não custava tentar. Levou uma garrafa de água com o seu nome, e no fim da reunião de esclarecimento espírita, trouxe-a para casa, colocando todos os dias um pouco de água (”tratada” pelos espíritos) sobre a pele que teimava em não se curar da sua mazela. Passadas duas semanas, o problema de pele acabou por se resolver, ficando a pessoa convencida da intervenção do mundo espiritual sobre aquela água, mesmo sem perceber muito bem como isso se teria passado.
O observador menos atento certamente dirá que a pessoa em pauta foi vítima do efeito de placebo, isto é, acreditando no hipotético tratamento dos espíritos, a sua mente teria gerado mecanismos de auto-cura, sendo esta apenas do foro psicológico.
Há uns anos atrás, assistindo a um seminário do mundialmente conhecido Divaldo Pereira Franco (espírita, conferencista, médium, Doutor Honoris Causa por várias universidades e um cidadão do mundo respeitado pela sua obra em prol da paz, a nível mundial), num dos intervalos ele dizia-me que uma entidade espiritual lhe dizia para que eu lhe levasse uma garrafa de água para magnetizar em meu benefício, na sequência de algum problema físico que eu tinha. Timidamente, fui comprar duas garrafas de água ao bar ali ao lado, entregando-lhe. Passado algum tempo, ele devolveu-mas, esclarecendo que quando a água estivesse a meio da garrafa, deveria encher a mesma com água do mesmo teor, devendo beber todos os dias um pouco dessa água. Qual não foi o meu espanto, quando ao beber a referida água, à noite, verifiquei que a mesma cheirava e sabia a rosas, fruto de um fenómeno de efeitos físicos protagonizado por esse médium e espírita. De realçar que o cheio e sabor a rosas se manteve durante cerca de 4 meses, apesar da garrafa estar a ser sempre atestada com nova água.

A água, tratada pelos espíritos, sofre uma alteração na sua estrutura molecular, facto este comprovado em laboratório

Mais tarde, estudando sobre o assunto, em várias pesquisas efectuadas, num artigo do Engº Hernâni Guimarães Andrade sobre «Água Fluida», este referiu que um cientista, o Dr. Edward Brame, teria constatado que a água magnetizada por curadores psíquicos, registava uma alteração na sua estrutura molecular que se mantinha cerca de 4 meses. Não podia deixar de ficar estupefacto, pois tais experiências em laboratório estavam em perfeita sintonia com uma vivência por mim experimentada.
Bernard Grad, bioquímico canadiano, fez igualmente experiências com curadores psíquicos, demonstrando em laboratório que a acção do magnetismo humano interfere na estrutura molecular da água, alterando a sua tensão superficial e os ângulos das pontes de hidrogénio da molécula da água.
Perante tais provas científicas, o efeito placebo perde todo o seu poder já que perante factos em laboratório, repetíveis, não há argumentos baseados em crenças pessoais.
Quando lhes é permitido superiormente, os amigos espirituais podem interferir beneficamente na nossa vida, agindo no nosso corpo espiritual (perispírito) que assim modificado vai provocar uma alteração no nosso corpo físico.
No final daquela festa de anos, ficámos a pensar na singeleza dos ensinamentos dos bons Espíritos, que de maneira despretensiosa nos trazem no nosso quotidiano, inúmeras provas das suas actividades junto de nós, alertando-nos para a imortalidade do Espírito, para que assim passemos também a ponderar sobre o assunto, melhorando-nos interiormente e melhorando também a sociedade, fazendo aquilo que Jesus de Nazaré preconizou há cerca de 2 mil anos: fazer ao próximo o que gostaríamos que nos fizessem.

José Lucas

Bibliografia:

- Gerber, Richard – Medicina Vibracional
- Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos
- www.adeportugal.org
- www.caldasrainha.net/lucas

Greenpeace Portugal Em defesa dos Oceanos

Greenpeace Portugal Em defesa dos Oceanos
Imprimir Enviar O navio "Esperanza" da Greenpeace enfrenta o navio japonês "Kyo Maru No.1", numa acção directa e não violenta contra a frota baleeira japonesa no mar das Ilhas Austrais.
Ampliar fotografiaMais fotografias A vida marinha esteve por demasiado tempo totalmente exposta à exploração por parte de quem possuísse meios para o fazer. Os rápidos avanços tecnológicos implicaram que, actualmente, a capacidade, o alcance e a potência das embarcações e do equipamento usados para explorar a vida marinha exceda de longe a capacidade da Natureza de a preservar. Se isso não for controlado, terá amplas consequências no ambiente marinho e nas pessoas que dele dependem.

A vida nos oceanos possui um incrível conjunto de formas e dimensões – desde o plâncton microscópico até à maior das grandes baleias.

Apesar disso, muitas espécies foram levadas à extinção, ou aproximam-se dela, devido a devastadores impactos humanos.

A campanha Em defesa dos Oceanos denuncia essas ameaças, enfrenta os culpados e promove soluções como uma rede global de parques oceânicos designados reservas marinhas.

As principais ameaças que os nossos oceanos enfrentam incluem:


A pesca industrial

Navios gigantes, utilizando equipamentos de ponta, podem localizar com precisão cardumes de peixe rapidamente. As frotas de pesca industrial ultrapassaram os limites ecológicos do oceano. À medida que o peixe maior é exterminado, os objectivos passam a ser as espécies seguintes de peixes mais pequenos, e assim sucessivamente. (O especialista em pescas canadiano Dr. Daniel Pauly previne que, se isso continuar, os nossos filhos vão alimentar-se de medusas.)

Em resumo, cada vez mais pessoas competem por cada vez menos peixe, agravando a crise dos oceanos existente. Ler mais


Pesca acidental


As modernas práticas de pesca são um incrível desperdício. Todos os anos, as redes de pesca matam até 300.000 baleias, golfinhos e atuns em todo o mundo. O emaranhamento é a maior ameaça para a sobrevivência de muitas espécies. Além disso, algumas práticas de pesca destroem os habitats e os habitantes. A pesca de arrasto, por exemplo, destrói inteiramente florestas ancestrais de corais de alto-mar e outros ecossistemas delicados. Em algumas áreas, é o equivalente a lavrar um campo várias vezes ao ano. Ler mais


Pesca ilegal

À medida que os bancos de pesca tradicionais a norte se foram esgotando, a capacidade de pesca tem-se virado progressivamente para África e para o Pacífico. Os piratas, que ignoram os regulamentos e que efectivamente roubam peixe, estão a negar a algumas das regiões mais pobres do mundo a segurança alimentar e os rendimentos de que tanto necessitam, e as frotas que pescam legalmente apenas transferem uma pequena percentagem dos lucros para os estados africanos e do Pacífico. Ler mais


Aquacultura

A aquacultura (viveiros de peixe e marisco) é frequentemente apresentada como o futuro da indústria de alimentos marinhos. Mas a aquacultura de camarão é talvez a indústria de pesca mais destrutiva, insustentável e injusta no mundo. O desmatamento de mangais, a destruição do pescado, o assassínio e desmatamento de terrenos comunitários têm sido amplamente divulgados.

A indústria da cultura do salmão também prova que os viveiros não são solução – são precisos cerca de 4 Kg de peixe selvagem pescado para produzir 1 Kg de salmão em viveiro. Ler mais


Aquecimento global

O oceano e os seus habitantes vão ser afectados de maneira irreversível pelos impactos do aquecimento global e das alterações climáticas. Os cientistas dizem que o aquecimento global, através aumento das temperaturas da água do mar, irá elevar os níveis da água e alterar as correntes oceânicas. Os efeitos já começam a ser sentidos. Espécies inteiras de animais marítimos e de peixes estão em risco devido à subida das temperaturas – simplesmente não podem sobreviver nas novas condições. Por exemplo, pensa-se que a temperatura elevada da água é responsável pelo facto de vastas áreas de corais perderem a cor e morrerem (descoloração). Ler mais


Poluição

Outro impacto significativo da actividade humana no ambiente marítimo é a poluição. A poluição mais visível e familiar é a do petróleo, provocada pelos acidentes com navios petroleiros. Apesar disso e apesar da escala e visibilidade de tais impactos, as quantidades totais de poluentes que se escoam para o mar a partir de derrames de petróleo são diminutas, comparadas com as originadas por poluentes de outras proveniências. Estas incluem os esgotos domésticos, as descargas industriais, o escoamento de superfície urbano e industrial, os acidentes, os derrames, as explosões, as operações de descarga no mar, a exploração mineira, os nutrientes e pesticidas da agricultura, as fontes de calor desperdiçadas e as descargas radioactivas. Ler mais


Em defesa dos Oceanos

É necessário efectuar mudanças fundamentais no modo como os nossos oceanos são geridos. Isto significa que devemos agir para garantirmos que as actividades humanas sejam sustentáveis, ou, por outras palavras, que satisfaçam as necessidades das gerações actuais e futuras de seres humanos, sem causar danos ao ambiente. Por isso, os governos devem reservar 40 por cento dos nossos oceanos como reservas marinhas. As reservas marinhas podem ser definidas como regiões do oceano em que é impedida a exploração de quaisquer recursos vivos, bem com a exploração de recursos não vivos como a areia, a brita e outros minerais.


http://www.greenpeace.org/portugal/oceanos

Air Torture vai passar por Lisboa

Air Torture vai passar por Lisboa
Quinta-feira, dia 26 de Junho, no Largo do Camões, a partir das 17 horas

No dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, a Amnistia Internacional Portugal convida a população de Lisboa para a demonstração de uma viagem a bordo da Air Torture, durante um voo de rendições. Estes voos passam frequentemente sobre os céus europeus, não efectuam registo de rota e transportam pessoas suspeitas de terrorismo de "qualquer lugar"para local "desconhecido".
Estas pessoas estão sujeitas a todo o tipo de tratamentos cruéis, desumanos e degradantes.

Venha ver de perto aquilo que a Amnistia Internacional quer que acabe.

A Amnistia Internacional propõe: Uma viagem a bordo da Air Torture
Local: Praça Luís de Camões
Data: 26 de Junho de 2008 das 17h às 19h

Acabar com as Rendições e as Detenções Secretas: Dever da Europa

Os Estados Europeus têm estado envolvidos no programa de rendições e detenções secretas dos Estados Unidos da América, no qual várias pessoas foram detidas ilegalmente e transferidas de um país para outro sem qualquer processo judicial. Algumas pessoas foram transferidas sob custódia dos Estados Unidos da América para países onde a tortura e outros maus-tratos são praticados durante os interrogatórios; outros foram transferidos para a custódia dos EUA e subsequentemente presos em centros de detenção no Afeganistão e na Baia de Guantánamo em Cuba.

Muitas pessoas foram submetidas a desaparecimentos forçados, incluindo detenções secretas realizadas pela CIA, sendo que o paradeiro de cerca de 36 pessoas continua desconhecido. Todas as vítimas de rendição entrevistadas pela Amnistia Internacional disseram que foram torturadas e submetidas a maus tratos enquanto estavam sob custódia.

Investigações do Conselho da Europa e do Parlamento Europeu recomendaram que os Estados-Membros da União Europeia tomem medidas preventivas para impedirem a ocorrência destas violações de Direitos Humanos no futuro e que assegurem indemnizações às vítimas. Estas recomendações ainda não foram implementadas até à data.


Amnistia Internacional Portugal
Telf: 21 386 16 52
Fax: 21 386 17 82
e-mail: aiportugal@amnistia-internacional.pt

Visite o nosso website em
www.amnistia-internacional.pt

quarta-feira, junho 25

E ao terceiro dia ressuscitou

ARTIGOS - DOURADOS - - MS


Mato Grosso do Sul, Terça-Feira, 24 de Junho de 2008 - 17:45


Leia o artigo: E ao terceiro dia ressuscitou



*Paulo José da Silva

Na Verdade, é o grande trunfo do Cristianismo. A ressurreição.

Todas as religiões ensinam, de um modo geral o bem, mesmo que seus seguidores e muitas vezes seus líderes as utilizem como argumentação para guerras, esse nunca foi o propósito das religiões. Todas as religiões procuram passar ensinamentos a seus seguidores que os levem a uma vida melhor. Vida de paz, amor, alegria e de bem para com o próximo.

O mesmo ocorre com as subdivisões do cristianismo, também chamadas de denominação do cristianismo. O catolicismo, o espiritismo e as mais variadas correntes de evangélicos: protestantes, pentecostais, neo-pentecostais e comunidades também trazem em sua rede de ensinamentos orientações que buscam amenizar o sofrimento humano e despertar nestes o desejo de buscarem uma vida melhor para si, para os seus entes e amigos e até mesmo a seus inimigos.

Mas, se os ensinamentos em base são extremamente parecidos, porque tantas divisões e como saber os verdadeiros ensinos e os falsos.

Sem dúvida, nosso objetivo não é mostrar, em detalhes, os erros e acertos de cada denominação religiosa, mas sim mostrar que o enfoque deve ser Cristo em cada Igreja onde se prega o Cristianismo.

As brigas mais freqüentes entre igrejas são quanto a questões secundárias e, na maioria das vezes, tais igrejas transformam questões secundárias em principais. Algumas consideram a cura de enfermidades a sua principal pregação e assim, pela cura, conseguem seus adeptos. Outras consideram a prosperidade a sua principal “arma”, para a conquista de fiéis e com isso conquistam, dia a dia, fiéis seguidores. Outras, ainda, têm na convivência de amizade e coleguismo a principal arma para que seus seguidores se sintam bem e feliz convivendo em tais comunidades e ainda outras acreditam tão somente que por serem uma igreja de tradição, passada de pais para filhos, estarão segurando seus membros sem grandes dificuldades.

Em muitos casos as igrejas têm se esquecido do Evangelho. Mesmo as igrejas assim denominadas, as evangélicas. Muitos seguidores de igrejas cristãs não sabem responder o que é evangelho. Muitos não conseguiriam, se o próprio Cristo lhes perguntasse, responder a razão de sua fé.
Alguns responderiam que o evangelho e Mateus, ou Marcos, ou Lucas, ou João, livros assim denominados por trazerem em seus escritos o evangelho, não que eles sejam o próprio evangelho.
O evangelho é: “A boa nova de Deus ao mundo”, nova de salvação, de transformação de vida, nova de vida eterna, nova de que ...Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu Filho ao mundo para que todo aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna”, (João 3:16)
O evangelho é o próprio Jesus Cristo. O evangelho é a anunciação de que Cristo veio a este mundo, morreu por nossos pecados e foi sepultado, mas ao terceiro dia ressuscitou.

Alguém já disse: “Pastor, papel aceita tudo, não acredito que um homem possa ressuscitar de entre os mortos”, é claro que esta história não para todos crerem. É necessário que o Espírito Santo de Deus o convença, assim como convenceu bilhões de pessoas no mundo ao longo de mais de dois mil anos e ainda hoje, no mundo da incredulidade, no mundo do “ver para crer”, continua a convencer.

Eu tenho a função de lhe informar e o Espírito Santo de lhe convencer. Homens e mulheres, cultos e incultos, brancos e negros, novos e velhos, feios e bonitos de todas as raças tribos e nações já foram convencidos pelo Espírito Santo e se você abrir o seu coração a Cristo e deixa-lo entrar, você verá que aquilo que hoje lhe parece absurdo se tornará a coisa mais natural de sua vida e você crerá que Cristo é o Filho de Deus que desceu do céu, morreu pelos nossos pecados, foi sepultado e ao terceiro dia, ressuscitou!!!

*Pastor da Igreja Batista Nova Jerusalém
Rua Presidente Kennedy, 198 – Vila Industrial. Dourados - MS


Fonte:

terça-feira, junho 24

Fomos ao Europeu

video

Os árabes estão chegando ao Brasil


Os árabes estão chegando... | 12.06.2008
...e também os malaios, cingapurianos, coreanos e israelenses. Depois de investidores europeus e americanos, ?é a vez de os riquíssimos fundos da Ásia aportarem por aqui

Kami/Arabian Eye Al Nahyan, dos Emirados: mais negócios no BrasilPublicidadePor Giuliana NapolitanoEXAME Investidores baseados nos Estados Unidos e na Europa foram os grandes protagonistas dos últimos dois anos no Brasil. Nas 93 aberturas de capital realizadas na Bovespa em 2006 e 2007, eles responderam por cerca de 70% do volume transacionado e, no mercado imobiliário, investiram mais de 2 bilhões de reais. Depois de europeus e americanos terem aberto o caminho, agora é a vez de aplicadores da longínqua Ásia aportarem no mercado brasileiro. Lentos para tomar a decisão de colocar os pés no Brasil, esses gestores parecem agora apressados para encontrar negócios nos quais possam colocar petrodólares. Três meses bastaram para dois fundos árabes — o Royal Group, que administra a fortuna da família real de Abu Dhabi, dos Emirados Árabes Unidos, e o Olayan Group, da Arábia Saudita — conhecerem, avaliarem e se tornarem sócios da Bracor, companhia brasileira de investimentos imobiliários. “Foi tudo muito rápido”, diz Carlos Betancourt, fundador da Bracor. Ele foi apresentado aos bilionários fundos árabes pelo empresário americano Sam Zell, um dos expoentes do mercado imobiliário internacional e sócio da Bracor desde 2006. “Esses investidores já acompanhavam o Brasil, e bastou a indicação de Sam Zell para decidirem aportar recursos aqui”, diz Betancourt, que, a pedido dos fundos, não revela quanto eles aplicaram na companhia. “Confesso que não tínhamos esses investidores no radar, mas agora com certeza pensaremos no Oriente Médio quando tivermos de fazer uma nova captação de recursos.”

Mais do que um caso isolado, o exemplo da Bracor evidencia uma mudança de fundo que vem ocorrendo no Brasil. O país entrou no radar de gente sem nenhuma tradição de investimentos por aqui. Fundos da Ásia em geral — e do Oriente Médio em particular — estão ampliando suas aplicações no país de forma agressiva. Sua participação no total de negócios da Bovespa, por exemplo, dobrou no último ano — hoje, eles representam 4% do capital estrangeiro na bolsa, e a aposta é que essa cifra aumente muito nos próximos anos. Entre os destaques da primeira leva estão nomes como GIC e Temasek, ambos de Cingapura e posicionados entre os dez maiores fundos soberanos do mundo. “Eles participaram de quase todos os IPOs de 2007”, diz José Olympio Pereira, diretor do banco Credit Suisse. Uma das últimas instituições a abrir um escritório no país foi a coreana Mirae Asset Management. Com cerca de 900 milhões de dólares aplicados em ações de empresas brasileiras e em empreendimentos imobiliários, a Mirae aguarda autorizações do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários para operar um banco de investimento e uma gestora de recursos no Brasil. “A estratégia da Mirae é garimpar oportunidades em países com grande potencial de crescimento, e o Brasil é um dos mais promissores”, diz Edward Oh, diretor internacional da Mirae.

É natural, segundo executivos do mercado, que fundos orientais cheguem ao país depois de americanos e europeus. Eles são, em geral, muito mais conservadores. Boa parte do dinheiro da Ásia que roda o mundo em busca de oportunidades está em fundos soberanos e de pensão, que têm um horizonte de mais longo prazo e costumam ir para países com um histórico mais consolidado de estabilidade e crescimento. “O Brasil era o patinho feio dos emergentes até pouco tempo atrás, mas agora virou prioridade”, diz Alexandre Gorra, responsável pela plataforma internacional da gestora de recursos BNY Mellon Arx, que administra cerca de 600 milhões de dólares de investidores estrangeiros. O que atrai esses investidores, não resta dúvida, é o bom momento da economia local. “Há uma multiplicação de oportunidades de negócios no país, em setores tão diversos como infra-estrutura e agropecuária”, diz Charles Yang, diretor no Brasil do Korea Development Bank, espécie de BNDES da Coréia do Sul. A crise americana é outro fator que pesa a favor do Brasil. “Os investidores buscam oportunidades em outros lugares, uma vez que os Estados Unidos atravessam uma crise de liquidez”, diz Daniel Bernd, presidente no Brasil do grupo israelense de investimentos imobiliários Gazit Globe, que administra 12 bilhões de dólares em mais de dez países. Aqui, o Gazit acaba de comprar dois shoppings — o Morumbi Town Center, em São Paulo, e o Italian Mall, ainda em construção, em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha.

O apego à discrição é a marca registrada dos investidores asiáticos — eles não costumam dar entrevistas e raramente divulgam seus negócios e informações financeiras. Dois dos fundos mais misteriosos estão sob o comando dos Al Nahyan, família real do emirado de Abu Dhabi. Parte da fortuna pessoal do clã é administrada pelo Royal Group, holding que controla cerca de 30 empresas de setores diversos — de construção a mídia e tecnologia. O patriarca da família, o xeque Khalifa bin Zayed Al Nayan, é presidente dos Emirados Árabes Unidos e também controla o fundo soberano do país, o Abu Dhabi Investment Authority. Com um patrimônio de 875 bilhões de dólares, que o coloca no topo do ranking mundial de fundos soberanos, o Adia — como é mais conhecido — é cortejado por bancos e empresas de todo o mundo. No Brasil, informações de executivos do mercado dão conta de que o Adia colocou dinheiro na construção do edifício Ventura Towers, da incorporadora Tishman Speyer, no Rio de Janeiro.


Quem são eles
Alguns dos principais investidores da Ásia no Brasil
Investidor Negócios no Brasil Patrimônio (em dólares)
Abu Dhabi Investment Authority
(Emirados Árabes) Edifício Ventura, da Tishman, no Rio de Janeiro, e outros mantidos em sigilo 875 bilhões
Temasek
(Cingapura) É sócio da BR Properties, empresa com sede em São Paulo controlada pela GP 100 bilhões
Mirae
(Coréia do Sul) Aplica em ações de empresas brasileiras e no setor imobiliário 73 bilhões
Gazit
(Israel) Investe em shopping centers em São Paulo e no Rio Grande do Sul 12 bilhões
Royal Group
(Emirados Árabes) É sócio da Bracor, firma de investimentos imobiliários de São Paulo

segunda-feira, junho 23

Cuando me Enamoro - Bocelli

video

Maria Rita - A Minha Alma

video

Magnetismo

"Existe uma influência mútua entre os seres, equivalente à que ocorre entre os astros"

Sexta-feira, 30 de Maio de 2008
Por que a espiritualidade cura?




Herbert Benson está à frente do Instituto Mente/Corpo da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Nos últimos 35 anos, dedica-se a pesquisas científicas que comprovam: a fé e a meditação melhoram a saúde.






Imagine um médico receitando 20 minutos de meditação, duas vezes ao dia, para combater a hipertensão, por exemplo.

É isso que faz o doutor Herbert Benson, pesquisador e fundador-presidente do Instituto Mente/ Corpo da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, em Boston, nos Estados Unidos.

Há mais de três décadas, ele realiza estudos em laboratório e vem comprovando que aquietar a mente é um hábito poderoso na prevenção e no combate de problemas como insônia, tensão pré-menstrual, infertilidade e hipertensão.

Além disso, alivia os efeitos de doenças crônicas e tratamentos químicos fortes, como o de câncer. O doutor Benson concluiu que de 60 a 90% das doenças podem ser curadas pela mente.


Ele é autor de sete livros sobre o assunto, como Medicina Espiritual (ed. Campus) e o best seller The Relaxation Response (não traduzido para o português), que já vendeu mais de 4 milhões de exemplares.


Em julho passado (2002), no II Congresso Internacional de Stress, organizado pela ISMA-BR (International Stress Management), em Porto Alegre, ele falou sobre medicina e espiritualidade.







- Como a espiritualidade pode trazer benefícios para a saúde?


Herbert Benson - Sempre digo que há um tripé que sustenta a cura: os medicamentos, a cirurgia e a espiritualidade. Cada um deles tem seu peso, sendo que o hábito diário da prática da meditação corresponde de 60 a 90%. O resto é efeito da medicação ou, caso seja necessário, da cirurgia. Como médico, não receito para meus pacientes apenas a meditação, pois os recursos da medicina não podem ser desprezados.




- Por que, então, o senhor pesquisa a espiritualidade?


HB - Pesquiso os efeitos da espiritualidade na cura de doenças há 35 anos e comecei estudando a relação entre o estresse e a hipertensão. Primeiro fiz experimentos com macacos. Porém, na época, recebi uma proposta de estudar os efeitos físicos da meditação em um grupo de praticantes assíduos. Essas pessoas não tinham problemas de pressão alta e diziam que isso estava relacionado à meditação. Foi então que realmente estabeleci a conexão entre corpo e mente.




- O que o senhor notou no corpo dessas pessoas?


HB - Percebi que durante a prática há a diminuição da pressão arterial, da freqüência cardíaca e do ritmo respiratório. Tentei, então, descobrir o que provocava isso. E são dois os componentes básicos capazes de causar essas reações: a repetição de palavras e a capacidade de deixar os pensamentos de lado. Como parte do estudo, pesquisei os estados meditativos ao longo da história e nas diferentes religiões e esse efeito estava presente no cristianismo, no judaísmo e no budismo.




- Qualquer tipo de meditação traz benefícios?


HB - Meditação é deixar a mente livre de pensamentos. E isso é geralmente conseguido pela repetição de palavras. Quando um católico reza um terço, por exemplo, ele está meditando. Não importa o que está dizendo, desde que aquela palavra tenha um significado importante para ele. Pode ser paz, amor, aleluia, shalom, um mantra (os sons sagrados orientais). Os pacientes que escolhem repetir palavras ou expressões relacionadas com suas crenças religiosas têm maior probabilidade de meditar continuamente e melhores resultados fisiológicos do que aqueles que escolhem palavras indiferentes, sem um significado particular. E existem técnicas orientais que também causam as mesmas mudanças físicas, como ioga, tai chi chuan, chi kun e a dança.




- Meditar ajuda no processo de cura e prevenção de quais doenças?


HB - As que apresentam melhor resposta ao relaxamento são hipertensão, problemas cardíacos, insônia, calorões da menopausa e toda forma de dor, inclusive as crônicas. Nesses casos, meditar ajuda a suportar melhor os desconfortos.




- E a infertilidade?


HB - Problemas de infertilidade, causados por estresse e ansiedade, melhoram 50% depois da prática diária do relaxamento e 59% das mulheres têm diminuição dos sintomas de TPM (tensão pré-menstrual). Mas é preciso lembrar que não se deve abandonar os medicamentos, independentemente do problema de saúde. Quem pratica as várias formas de meditação deve, sim, avisar seu médico.




- Por quê?


HB - Se a prática é diária, as doses do medicamento precisam ser diminuídas. Caso contrário, passa-se a ter efeitos colaterais causados pelo excesso de remédios. Por exemplo, em quem é hipertenso, toma medicação e começa a meditar todo dia, a pressão arterial vai cair naturalmente. Assim, as doses dos remédios devem ser reduzidas aos poucos, com a orientação do especialista, até que a pressão se normalize. Percebo que, em males como a Aids ou o câncer, a meditação ajuda a suportar melhor os efeitos colaterais dos tratamentos. Ou seja, há uma melhora na qualidade de vida desses pacientes.




- A fé interfere na cura?


HB - Defendo uma medicina unificada de corpo, mente e espírito. Se a fé não fosse importante, como você explicaria o efeito placebo? Pesquisas demonstram que uma pílula com açúcar dada em laboratório tem resultados positivos em 90% das pessoas com problemas de depressão e ansiedade. Isso é o que chamo de fator fé.




- E a fé religiosa, ela conta pontos para a saúde?


HB - Estudos comparativos de grupos religiosos e não religiosos constataram: quem é mais religioso é mais saudável, independentemente da alimentação ou da atividade física. Isso também independe da religião. Um católico, por exemplo, que reza todos os dias e acredita em sua crença produz os mesmos efeitos benéficos para o organismo que um budista, que medita diariamente. O importante é a resposta que o relaxamento causa no organismo. Pode ser com meditação, rezando terço, com ioga.




- Existe uma idade certa para começar a praticar?


HB - Crianças a partir de 5 anos já podem ser iniciadas. Estudos feitos em Harvard demonstram que isso reduz a ansiedade, facilita a concentração, a capacidade de aprender e de ter notas melhores na escola em comparação a garotos que não meditam.




- É preciso meditar todos os dias? Quanto tempo?


HB - Para obter uma resposta eficaz, deve-se praticar uma ou duas vezes por dia, de dez a 20 minutos, cada vez. As alterações fisiológicas causadas pela meditação duram 24 horas, e isso faz também com que o praticante se torne mais resistente ao estresse e às doenças causadas por ele. O ideal é meditar de manhã, ao acordar (antes do café da manhã), e no final da tarde.





Reportagem: Ana Holanda

Outubro’ 2002

Reportagem presente na Revista Bons Fluidos

domingo, junho 22

Discurso do Ministro Brasileiro da Educação nos EUA...

Esta resposta do Christovam Buarque é antiga e já está muito divulgada na internet. No entanto, é sempre atual e é muito bem relê-la. Subject: Discurso do Ministro Brasileiro da Educação nos EUA...(Censurado)

Importance: High> Discurso do Ministro Brasileiro da Educação nos EUA...
> Durante um debate numa universidade dos Estados Unidos o actual
> Ministro da Educação CRISTOVAM BUARQUE foi questionado sobre o que
> pensava da internacionalização da Amazónia (ideia que surge com alguma
> insistência nalguns sectores da sociedade americana e que muito
> incomoda os brasileiros).
> Um jovem americano fez a pergunta dizendo que esperava a resposta de
> um Humanista e não de um Brasileiro. Esta foi a resposta de Cristovam
> Buarque :
>
> " De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a
> internacionalização da Amazónia. Por mais que nossos governos não
> tenham o devido cuidado com esse património, ele é nosso.
> Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a
> Amazónia, posso imaginar a sua internacionalização, como também a de
> tudo o mais que tem importância para a humanidade.
> Se a Amazónia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada,
> internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro...
> O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a
> Amazónia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas
> sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extracção de petróleo e
> subir ou não seu preço.
> Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser
> internacionalizado. Se a Amazónia é uma reserva para todos os seres
> humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono ou de um
> país.
> Queimar a Amazónia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas
> decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que
> as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia
> da especulação.
> Antes mesmo da Amazónia, eu gostaria de ver a internacionalização de
> todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à
> França.
> Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo
> génio humano. Não se pode deixar esse património cultural, como o
> património natural Amazónico, seja manipulado e destruído pelo gosto
> de um proprietário ou de um país.
> Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele,
> um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter
> sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão
> realizando o Fórum do Milénio, mas alguns presidentes de países
> tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira
> dos EUA. Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas,
> deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a
> toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de
> Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua
> história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.
> Se os EUA querem internacionalizar a Amazónia, pelo risco de deixá-la
> nas mãos de brasileiros, internacionalizemos também todos os arsenais
> nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de
> usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do
> que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.
> Nos seus debates, os actuais candidatos à presidência dos EUA têm
> defendido a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo
> em troca da dívida.
> Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo
> tenha possibilidade de COMER e de ir à escola.
> Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não
> importando o país onde nasceram, como património que merece cuidados
> do mundo inteiro.
> Ainda mais do que merece a Amazónia. Quando os dirigentes tratarem as
> crianças pobres do mundo como um património da Humanidade, eles não
> deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando
> deveriam viver.
> Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo.
> Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a
> Amazónia seja nossa.
> Só nossa! "
>
> ESTE DISCURSO NÃO FOI PUBLICADO. AJUDE-NOS A DIVULGÁ-LO porque é muito
> importante... e porque foi CENSURADO!

sábado, junho 21

SUBLIMAR AS FORÇAS NEGATIVAS

Todos os espíritos, quanto mais elevados estão, mais susceptíveis são às forças do mal. Há que escolher sempre a paz. Há que escolher sempre o bem. Sempre que uma força do mal se apoderar da tua cabeça, sempre que isso acontecer, rejeita-a com todos os teus sentidos. "Para mim, só está destinado o bem." Podes dizer isto quantas vezes forem necessárias para afastar os maus pensamentos, os pensamentos que te possam causar medo.

O medo é o sentimento preferido das forças do mal. Elas amedrontam as pessoas através de pensamentos negativos, obscenos. Por nada, a pessoa acaba por fazer uma escolha contrária àquela a que faria estando em plena consciência. O medo aí na terra corrói até o mais espiritual dos seres.

E o medo de ficar sozinho é responsável pela maior parte dos actos cegos, acções que praticamos sem os olhos da alma. Só com as forças daí, da matéria. Só com as forças do medo. São actos que mais cedo ou mais tarde vos levam ao sistema de perdas. Quando começam a perder as coisas que mais estimam, saúde, emprego, filhos, enfim, tudo!

Quando a alma não está presente numa decisão, para onde quer que esta leve, o caminho nunca é o da evolução. É um caminho ferrenho, e como tal, só pode levar ao karma e à tristeza.

Quanto mais a pessoa fizer conexão ao seu Eu Superior, à sua alma, mais poderá esperar que a alma esteja presente em todas as decisões da sua vida. Assim, decidindo consoante os olhos da sua alma, o ser estará a caminhar a largos passos no sentido da evolução.

Este Jesus Cristo Que Vos Fala, Livro 3/ A Era da Liberdade,
Alexandra Solnado

Melhorando Sempre


"Estamos orando a Deus para que não façais mal algum, não para que simples-mente pareçamos aprovados, mas para que façais o bem..." – Paulo. (II CORÍNTIOS, 13:7).


Evidentemente, não podes garantir a felicidade do mundo que se encontra, de maneira constante, sob o impacto das lutas evolutivas que lhe orientam a marcha, no entanto, ninguém está impedido de cultivar o trato de terra em que vive, amparando uma árvore amiga ou alentando uma flor.

Certo, não podes curar as chamadas chagas sociais, indesejáveis mas compreensíveis numa coletividade de espíritos imperfeitos quais somos ainda todos nós, em regime de correção e aperfeiçoamento, contudo, ninguém está impossibilitado de proceder honestamente e apoiar os semelhantes com a força moral do bom exemplo.

Sem dúvida, não podes socorrer a todos os enfermos que choram na Terra, entretanto, ninguém está proibido de atenuar a provação de um amigo ou de um vizinho, propiciando-lhe a certeza de que o amor não desapareceu dos caminhos humanos.

Indiscutivelmente, nao podes sanar as dificuldades totais da família em que nasceste, todavia, ninguém está interditado, no sentido de ajudar a um parente menos feliz ou cooperar na tranqüilidade que se deve manter em casa.

Não te afastes da cultura do bem, sob o pretexto de nada conseguires realizar contra o domínio das atribulações que lavram no Planeta.

O Senhor nunca nos solicitou o impossível e nem nunca exigiu da criatura falível espetáculos de grandeza compulsória.

Conquanto existam numerosos desertos, a fonte pequenina corre, confiante, fecundando a gleba em que transita.

Não nos é facultado corrigir todos os erros e extinguir todas as aflições que campeiam nas trilhas da existência, mas todos podemos atravessar o cotidiano, melhorando a vida e dignificando-a, em nós e em torno de nós.

Emmanuel Livro: Palavras de Vida Eterna - Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, junho 19

PARLAMENTO EUROPEU VOTA PELA EXCLUSÃO

Subject: Europa lança ofensiva contra imigrantes
To:



PARLAMENTO EUROPEU VOTA PELA EXCLUSÃO


O Parlamento Europeu aprovou hoje (18/06/2008), por 369 votos a favor, 197 contra e 106 abstenções, a DIRETIVA DA VERGONHA, que dá o aval aos 27 Estados-Membros da União Européia para prender e expulsar de seus territórios os imigrantes que não puderam se regularizar.

A "diretiva de retorno", assim denominada pelos órgãos oficiais europeus, foi aprovada mantendo praticamente inalterada a essência de seu projeto original. São delegados poderes ao aparato da União Europeia para prender os imigrantes indocumentados, inclusive menores de idade, além de proibir aqueles que tiverem sido "expulsos" de regressarem num prazo de 5 anos.

O Núcleo do PT-Lisboa condena mais essa ofensiva contra os trabalhadores e trabalhadoras que estão longe de seu país de origem e que totalizam 8 milhões.

A DIRETIVA DA VERGONHA foi aprovada com os votos do Partido Popular Europeu (PPE) e de setores do Partido Socialista Europeu (PSE). O Partido Social-Democrata (PDS) e Partido Popular (PP), de Portugal, estão unidos no PPE.




Veja o voto dos deputados portugueses no Parlamento Europeu




FAVORÁVEIS:

Partido Social Democrata (PSD)

Assunção Esteves

Carlos Coelho

Duarte Freitas

João de Deus Pinheiro

José Silva Peneda

Sérgio Marques

Vasco Graça Moura

Partido Popular (CDS/PP)

José Ribeiro e Castro

Luís Queiró

Partido Socialista (PS)

Sérgio Sousa Pinto



CONTRA:

Partido Socialista (PS)

Armando França

Elisa Ferreira

Emanuel Jardim Fernandes

Francisco Assis

Jamila Madeira

Joel Hasse Ferreira

Luís Capoulas Santos

Manuel António dos Santos

Paulo Casaca

Partido Comunista Português (PCP)

Ilda Figueiredo

Pedro Guerreiro

Bloco de Esquerda (BE)

Miguel Portas

quarta-feira, junho 18

Sting amp Chris Botti

video

Entidade reguladora da Comunicação Social crítica Jornal da Marinha Grande Agenda SOS RACISMO 2008

Entidade reguladora da Comunicação Social crítica Jornal da Marinha Grande

A Entidade Reguladora da Comunicação Social pronunciou-se sobre uma queixa contra o Jornal da Marinha Grande, a propósito da peça “Comunidade cigana incomoda”, publicada na edição de 15 de Março de 2007. Agora, a ERC informa que "a interpretação do Conselho Regulador, a reportagem em análise configurou uma situação de discriminação relativamente à comunidade cigana, ao explorar uma ideia estereotipada da mesma, associando-a à delinquência e procedendo a uma generalização dos factos. Na visão do Conselho, os factos não foram tratados com o rigor exigível, não tendo sido ouvidos todos os interesses atendíveis, nem, os leitores informados de alegadas diligências feitas pelo jornal para obtenção de informações mais completas e plurais sobre a comunidade retratada na peça.Face a estas constatações, a deliberação aprovada a 13 de Novembro, insta o jornal a respeitar o princípio da não discriminação, tal como ele decorre da Constituição da República, das demais leis do País e dos instrumentos de direito internacional relevantes, bem como a cumprir as normas ético-legais que impõem a observância do rigor e isenção informativos."


--------------------------------------------------------------------------------

Agenda SOS RACISMO 2008

Já está disponível a Agenda SOS RACISMO para 2008. Para mais informações contactar sosracismo@gmail.com.

www.sosracismo.pt


--------------------------------------------------------------------------------

Comunicado de imprensa: Maria José Nogueira Pinto defende limpeza étnica na Baixa

A ex-vereadora Maria José Nogueira Pinto e que ao que tudo indica será também a futura Comissária para a Reabilitação da Baixa-Chiado diz que as lojas chinesas “estão a dar cabo do comércio da cidade.” Em comunicado de imprensa o SOS RACISMO declara que não é admissível que uma personalidade com as responsabilidades públicas e políticas que ela já desempenhou e irá desempenhar no âmbito da reabilitação de um espaço público que é de todos, promova o racismo e a xenofobia.

Você Não Me Ensinou A Te Esquecer by Caetano Veloso

video

Paddy Casey Addicted To Company

video

Apoio aos órfãos: Activistas pedem mais intervenções em Chibabava

Apoio aos órfãos: Activistas pedem mais intervenções em Chibabava
17-Jun-2008
Actividades de algumas associações que se dedicam ao apoio às pessoas desfavorecidas no distrito de Chibabava, em Sofala, dizem-se pressionados devido ao elevado número de crianças órfãs e vulneráveis. Segundo relataram ao nosso Jornal, cada dia que passa há novos registos de petizes sem pais que vivem em condições deploráveis. Devido a muitas enfermidades, algumas das quais relacionadas com o HIV/SIDA, muita gente morre em Chibabava. Afirmam ainda os activistas que um adulto quando morre deixa em média cinco órfãos sem nada para comer e muito menos com capacidade para estudar.

Adozinda Murive, activista do projecto Mponessi, disse ao nosso Jornal haver a necessidade de estender as intervenções para mais zonas, como também aumentar o número de activistas. Desta maneira, segundo contou poderá reduzir a pressão que muitos sofrem tanto pelas próprias crianças, como também pelas famílias substitutas.

Secundando Adozinda, Tambachavita Timóteo, também do mesmo organismo, disse que na zona onde trabalha, em Nhango, em Chibabava, de semana em semana recebe listas de crianças órfãs. “ Porque eles sabem que sou activista, muitos idosos praticamente sem meios aparecem para me responsabilizarem os netos, cujos pais perderama a vida devido a várias doenças”.

Para Timóteo, é estranho como as pessoas morrem nos últimos tempos. “No mês passado eu tinha perto de 200 criaças órfãs registadas, mas agora apareceram-me mais. Nós temos feito um trabalho quase interminável, quando se pensa que se vai descansar surge outro, é que trabalhar com este grupo é preciso também muita paciência”.

Maria de Lurdes Mboana, coordenadora do ComuSanas, organização que superintende o projecto Mponessi, disse que em face da pressão que os activistas vem passando nos últimos tempos, está-se a estudar junto dos doadores, neste caso a UCM e projecto Care, no sentido de aumentar o número de activistas no distrito.

“Neste momento estamos a assistir crianças cujo levantamento foi feito com os activistas em coordenação com as autoridades locais. Também está-se a proceder o levantamento”.

A nossa interlocutora que afirmou estar a trabalhar com a doação da UCM, referiu também que para além de apoio às crianças com chapas-de-zinco, alimentação, vestuário e outra ajuda, os activistas envolvem-se igualmente em encaminhar os doentes crónicos para as unidades hospitalares.

“A pressão reside pelo facto destes para além de assistir as crianças órfãs, também procuram persuadir as pessoas a fazerem testes, encaminhar para unidade sanitária em caso de doenças. Neste momento temos cerca de 2000 pessoas que foram conduzidas para as unidades sanitárias”, disse para depois sublinhar que a situação de crianças órfãs no distrito de Chibabava é preocupante.

Anabela Santiago, administradora de Chibabava, disse que para além do ComuSanas, que trouxe o projecto Mponessi, no distrito, o governo distrital através do sector de Acção Social tem trabalhado no sentido de minimizar o sofrimento dos petizes. Reconheceu no entanto, que o referido projecto tem estado a minimizar o sofrimento das crianças órfãs e vulneráveis naquele ponto da província.

www.zambezia.co.mz

terça-feira, junho 17

Provérbio Chines

O sábio interroga-se
a si mesmo,
o tolo interroga os outros.

Projecto de Restauração da Gorongosa


Projecto de Restauração


O Parque Nacional da Gorongosa fica situado na zona limite sul do Grande Vale do Rift Africano, no coração da zona centro de Moçambique. A sua diversidade de ecossistemas – da exuberante floresta tropical às vastas planícies aluviais—
acolheu, em tempos, algumas das mais densas populações de animais selvagens em toda a África. Nos anos 50 e 60, turistas de todo o mundo afluíam à “Jóia da Coroa de Moçambique”.

Seguiram-se quase 30 anos de guerra e nos anos 80, o parque transformou-se num campo de batalha, tendo de ser deixado ao abandono. Durante a guerra, soldados e civis caçaram grande maioria dos mamíferos existentes no parque. Mesmo depois da paz ter sido acordada, em 1992, a caça furtiva continuou incontrolável. Em 1996, com a ajuda de várias agências internacionais, o governo Moçambicano conseguiu reduzir substancialmente a caça furtiva. Aquando da reabertura do parque, verificou-se a extinção de alguns dos mamíferos do parque mas os pássaros – cerca de 400 espécies sobreviveram à guerra, relativamente ilesos.

Desde então, muitas das fortemente afectadas populações de mamíferos começaram a crescer lentamente. As poucas espécies extintas podem eventualmente ser reintroduzidas a partir de outras regiões da zona sul do continente africano. Ainda que seriamente ameaçado pela perda temporária de espécies-chave e pela desflorestação na Serra da Gorongosa, o ecossistema da Gorongosa permanece basicamente intacto e saudável.
O estado moçambicano reconheceu que o parque representa uma grande oportunidade no desenvolvimento da economia da zona central de Moçambique, uma das regiões mais pobres do mundo. O governo Moçambicano empreende, de momento, uma parceria com a (uma organização não governamental com sede nos Estados Unidos), no intuito de desenvolver uma aposta no ecoturismo. Esta destina-se a criar postos de trabalho e outras oportunidades para os locais, enquanto se procede a um investimento na protecção e reabilitação dos magníficos recursos naturais da Gorongosa. O projecto de reabilitação começou em 2004 e está a progredir a olhos vistos:

A equipa de conservação está a trabalhar arduamente para parar com a desflorestação da Serra da Gorongosa e reconstituir as populações animais do parque.
A equipa de investigação está a levar a cabo pesquisa científica alargada e a fazer planos a longo prazo para assegurar que, uma vez restaurado, o equilíbrio ecológico delicado do parque não seja perturbado.
A equipa das relações comunitárias está a trabalhar conjuntamente com diferentes parceiros na melhoria das condições de vida das pessoas que vivem na zona intermédia que rodeia o parque, ao criar emprego, financiar escolas e clínicas e ao dar formação em agricultura sustentável aos agricultores locais.

Você Pode Ajudar

Visite o parque -- o seu apoio ajudará a financiar o renascimento de um dos mais bonitos tesouros naturais africanos.
Espalhe a palavra -- Partilhe o nosso site com outras pessoas e subscreva a nossa eNewsletter.
Este é um projecto local que está a despertar interesse e apoio internacional. Por favor, junte-se a nós!

www.gorongosa.net/pt

Chico Xavier

Chico Xavier
Francisco Cândido Xavier nasceu em Pedro Leopoldo (MG), no dia 2 de abril de 1910.
Filho de operário inculto e de humilde lavadeira, ficou órfão de mãe aos cinco anos de idade.
Seu pai se viu obrigado a entregar alguns dos seus nove filhos aos cuidados de pessoas amigas e Chico Xavier ficou com sua madrinha, mulher nervosa que o maltratava cruelmente.
Nos seus momentos de angústia, um anjo de Deus, que fora sua mãe na Terra, o assistia, quando, desarvorado, orava nos fundos do quintal: "Tenha paciência, meu filho! Você precisa crescer mais forte para o trabalho.
E quem não sofre não aprende a lutar".
O menino aprendeu a apanhar calado, sem chorar.
Diariamente, à tarde, com vergões na pele e o sangue a correr-lhe em delgados filetes pelo ventre, ele, de olhos enxutos e brilhantes, se dirigia para o quintal, a fim de reencontrar a mãezinha querida, vendo-a e ouvindo-a, depois da oração.
Algum tempo depois, terminou seu, continua...

http://www.alvorada-espirita.com/ChicoXavier.html

segunda-feira, junho 16

Pensamento de Jesus

"Eu não estou longe de ti.
Estou sempre um pouco à frente,
para te obrigar a avançar."



Jesus

NEGRO: SER OU NÃO SER NÃO É A QUESTÃO!

NEGRO:
SER OU NÃO SER
NÃO É A QUESTÃO!
(é tudo imposição)

Queres que eu seja negro
Da cor da noite das trevas?
Então sou!
E depois não digas que a mulher negra não é bela.
É tão bela como pode ser a tua mulher
Que dizes ser, da cor da luz branca,
Onde vive o divino!
Sou negro e depois?

Ah, não!

Agora sou racista por aceitar com um sorriso
O que me impões e aceito,
E te devolvo?
Só quero igualdade.
Nada mais!
(JOÃO Craveirinha 02.06.2008)

domingo, junho 15

O SANTO GRAAL



O SANTO GRAAL

O Santo Graal não é um cálice. O Santo Graal tem tudo a ver com poder, sim, mas com o poder de mudar o mundo, no sentido mais vasto.

À conta de procurarem o poder pessoal, os homens percorreram caminhos longos, trilharam longas estradas em busca de matéria, e como se tratava de matéria, nada encontraram. Como queriam o poder na matéria, nunca o encontraram.

O poder de que lhes falava era muito mais vasto, muito mais amplo e muito mais universal. Falo do poder de libertar o homem da sua própria sombra.

Falo do poder de reconhecer num homem um emaranhado de energia vinda de outras eras. Falo da liberdade final do ser humano. Falo do poder, sim, de ajudar um irmão que se encontra detido numa prisão etérea de informações póstumas.

Tudo isto ainda é muito complicado, mas fica com esta ideia. O Santo Graal não é um cálice. O Santo Graal, na realidade, é um poder concedido pelos céus àqueles que prescindem da matéria e sobem, sobem muito alto para alcançar esta sabedoria.

A Alma Iluminada,
Alexandra Solnado

sábado, junho 14

Toca hoje na Eliminatória, a banda INP.A.C.T.O.

Tracy Chapman - Fast Car

videoLindo demais!

UHF - Menina Estas à Janela

video

Feira cultural no Anhembi homenageia centenário da imigração japonesa


13/06/2008 - 16h45
Feira cultural no Anhembi homenageia centenário da imigração japonesa
Da Redação

Feira cultural no Anhembi tem apresentações de artes tradicionais como o gagaku, mistura de música e performance
FOTOS DAS ATRAÇÕES DA FEIRA
HOMENAGENS AO CENTENÁRIO
MAIS SOBRE O CENTENÁRIO
Tem início neste sábado (14) no Anhembi, em São Paulo, a Semana Cultural Brasil-Japão, feira comemorativa do centenário da imigração japonesa.

Com duração de uma semana, o evento tem apresentações de dança tradicional, show de Fernanda Takai, campeonato de karaokê e concurso de cosplay. A data que marca oficialmente a comemoração do centenário é 18 de junho, a próxima quarta-feira.

Entre as cerca de 130 atividades da feira estão de artes tradicionais - como a orquestra de shamisen, instrumento de cordas japonês - até contemporâneas, como exposição de um coletivo de artistas que produzirá painéis utilizando técnicas de arte de rua.

São realizados também no espaço, o Centro de Convenções do Anhembi, workshops e simpósios.

A programação da feira traz ainda apresentação do balé da comunidade rural Yuba - localizada na região de Mirandópolis, em São Paulo -, palestra com o chef Jun Sakamoto, com o estilista Kenzo, exibição de filmes e exposição de bonecos de pano feitos pelo artista japonês Yuki Atae (veja fotos no álbum).

Centenário
O centenário da imigração japonesa no Brasil comemora a chegada do navio Kasato Maru, em Santos, no dia 18 de junho de 1908. A embarcação trouxe os primeiros imigrantes japoneses vinculados a um acordo estabelecido entre Brasil e Japão.

No Brasil, diversos eventos celebram a data (saiba mais aqui). Atualmente, São Paulo recebe a exposição "Laços do Olhar", com mais de 350 trabalhos expostos no Instituto Tomie Ohtake (SP), e no Rio de Janeiro está em cartaz "Nippon", que contempla diversos aspactos da cultura japonesa.

Veja abaixo os destaques da programação da Semana Cultural Brasil-Japão e, no site oficial do evento, acompanhe a programação completa.


--------------------------------------------------------------------------------

SEMANA CULTURAL BRASIL-JAPÃO
Quando: de 14 a 22/6
Onde: Palácio das Convenções do Anhembi (av. Olavo Fontoura, 1209)
Quanto: entrada gratuita
Mais informações: www.centenario2008.org.br

Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.

Como sempre, um bom artigo da Martha Medeiros


Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.

Uma imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado três vezes por semana, decido o cardápio das refeições, levo os filhos no colégio e busco, almoço com eles, estudo com eles, telefono para minha mãe todas as noites, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou
ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e-mails, faço
revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos, participo de eventos e reuniões ligados à minha profissão e ainda faço escova toda semana - e as unhas! E, entre uma coisa e outra, leio livros.

Portanto, sou ocupada, mas não uma workaholic. Por mais disciplinada e
responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.

Primeiro: a dizer NÃO.

Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO. Culpa por nada, aliás.

Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.

Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros. Seu pai e sua mãe acredite não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.

Você não é a Mulher Maravilha. Você é, humildemente, uma mulher. E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante. Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável.


É ter tempo.

Tempo para fazer nada. Tempo para fazer tudo. Tempo para dançar sozinha na sala. Tempo para bisbilhotar uma loja de discos. Tempo para sumir dois dias com seu amor. Três dias. Cinco dias! Tempo para uma massagem. Tempo para ver a novela. Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza. Tempo para fazer um trabalho voluntário. Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto. Tempo para conhecer outras
pessoas. Voltar a estudar. Para engravidar. Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado. Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.

Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal. Existir, a que será que se destina? Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.

A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem. Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si. Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!

Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.
Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir. Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.

Desacelerar tem um custo. Talvez seja preciso esquecer a bolsa prata, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M.A.C.

Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso,
francamente, está precisando rever seus valores. E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante'.

(Martha Medeiros)

Enviado pela minha Tia Micá.
Beijos Tia

Mugabe ameaça violência se perder eleição no Zimbábue

06/2008 Mugabe ameaça violência se perder eleição no Zimbábue
Agencia Estado
O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, há 28 anos no poder, afirmou hoje que os veteranos da guerra da independência do país estão dispostos a pegar em armas se ele for derrotado no segundo turno das eleições presidenciais, no dia 27. Mugabe afirmou que os veteranos o procuraram após o primeiro turno das eleições, em 29 de março, ameaçando iniciar uma nova guerra se o opositor Morgan Tsvangirai, do Movimento pela Mudança Democrática (MMD), vencesse a votação. "Eu também estou preparado para aderir à luta", afirmou Mugabe a jovens partidários de seu partido, o Zanu-PF. "Não podemos deixar os britânicos nos dominarem por meio de seus fantoches", disse o presidente, em referência a Tsvangirai. "Um voto para a oposição é um voto para os britânicos."

Os veteranos de guerra já atuaram outras vezes na intimidação de críticos de Mugabe. Eles participaram ativamente do confisco de milhares de fazendas de brancos em 2000 e conseguiram a propriedade de algumas dessas terras. A declaração de Mugabe foi vista como mais um sinal do que seus críticos afirmam ser uma campanha de intimidação contra os opositores antes da votação do dia 27. O MMD afirma que, desde que a campanha para o segundo turno começou, mais de 60 de seus partidários foram mortos. Eles responsabilizam o governo pelos violentos ataques.

Enxuga meus olhos, Verônica


Tanta teoria sobre poesia

dias que me deixo triste

noutros choro de alegria





I



Eu li chuvas demais nesta cidade

vampiros sugam mangas ao som da ave-maria

rodas gigantes deixam meninos-girafas encantados

as pipocas caem pelo chão.

Não escrevo pensando na cidade física

leio versos de setenta escorpiões

e relógios d’água.

O poeta é muito triste

tem incompreensões e vertigens subjetivas

a futura esposa que se chama (in)sônia

anda perdida e envenenada de amor proibido

somente eu vejo os escorpinídeos

nas minhas veias inocularem suas peçonhas

isso me acalma a ponto de sangrar gritos.



Chamo-te com teu véu:

- enxuga meus olhos, Verônica!



II



É proibido ser poeta nesta cidade

os palhaços em pernas de pau tristíssimos

padeiros infelizes fabricantes de pães machucados.

Não leia versos em praça pública

o poeta pode ser apedrejado

há músicos tocando tambores [pobres tambores]

estridentes arritmias sabidamente ridículas

pintaram os cabelos

[pobres cores berrantes]

músicos risíveis.



Os sons das senzalas clamavam sentidos

Liberdade liberdade liberdade

- Vocês? são machucadores de bumbos.



Uma sonata dorme na faixa de pedestre

as linhas brancas uma partitura perdida

fazer silêncio é um espetáculo impossível nesta cidade.



Pensar em coisas que tragam melodia

ter saudade

ter agonia

ter u ma(r) janela

chorar diante de uma igreja

sonhar com portas de tabacarias

lambuzar os olhos numa fotografia

como fazem poetas gemendo fotopoemas



- É devaneio, Verônica!

Traga seu lenço para enxugar pinturas líricas.



III



Há homens lançando redes sobre mangas

pescaria no vento com chuva

a imagem de Cristo no sudário encardido...



Homens puxando carroças

passam gemendo em frente à basílica

pontiaguda a nave aponta o céu

soa e estremece a pedra de São Pedro

a mulher hierosolimita entoa um canto

enxuga o rosto de um homem suado

Ou será uma face chorando...



IV



É muito tarde para adorações de poetas

contemplações de poesia

somente nos epitáfios

sempre sempre para sempre

alucinados ganham fama

ao entrarem em órbita

após o óbito

após o para sempre.



Ao redor de seus nardos

crescem arbustos decolores e perenes

deitadas e comovidas a milênios

flores alvas

róseas

azuis

púrpuras

lilases

forram um campo ocioso onde Jesus passeava.



Essas flores possuem o mesmo nome:

Verônica



Edmir Carvalho Bezerra

domingo, junho 8

O LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, Introduçao

Centro Virtual de Divulgacao e Estudo do Espiritismo
Lista Estudo-l

============================================================
LE001
O LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, Introduçao, itens I e
II,
pags 13 a 16, 77edicao-Feb.
============================================================

Segue abaixo, para efeito de estudo o fechamento referente
ao estudo de O Livro dos Espiritos.

1) Que significa a assertiva de Kardec que diz para as
coisas novas necessitam-se palavras novas?
Para diferenciar o novo do antigo. Como o Espiritismo
espalharia novas luzes sobre o conhecimento do mundo
espiritual, os termos antigos poderiam dar interpretacoes
incoerentes com a nova doutrina.

2) Há diferencia entre Espiritualismo e Espiritismo?
Qualquer crenca na sobrevivencia do ser espiritual apos a
morte do corpo fisico e espiritualista. As religioes
cristas sao espiritualistas, assim como o budismo,
hinduismo,etc.
Ja espiritismo segue os postulados da doutrina espirita,
codificada por Kardec.

3) O que o Espiritismo considera como Alma?
Alma eo ser que sobrevive a morte do corpo, e a essencia.
Devemos observar que quando nos estudos de O Livro dos
Espiritos, o termo alma se refere ao espirito quando
encarnado, e o termo espirito se designa os espiritos
errantes, ou seja, libertos do corpo fisico.

O LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, Introduçao

Cat Stevens - Moonshadow

video